Portal do Vale Tudo

Lyoto revela que golpe que nocauteou Vitor não fazia parte da estratégia

por: Leonardo Fabri
em 14 de Maio de 2018

Lyoto Machida repetiu o chute frontal que “aposentou” Randy Couture em 2011 e mandou Vitor Belfort para a lona no último final de semana naquela que foi a última luta do compatriota no UFC, talvez até mesmo no MMA. Em bate-papo com a imprensa logo após o feito, o Dragão revelou que o golpe não fazia parte da estratégia da luta.

“Eu vi a oportunidade de encaixar o golpe. Na minha concepção, quando você está muito bem treinado, eu não posso me preocupar com a técnica que eu treinei. A técnica sai. Por exemplo, esse foi um chute que eu não treinei tanto, chute no rosto não estava na minha lista de golpes para colocar. Mas na hora eu olhei e disse: ‘acho que esse golpe entra’. E o golpe entrou. Luta é muito sentir, em vez de ver e perceber, Quando você vê, já está atrasado”, explicou o carateca, que também elegeu qual dos dois nocautes foi mais bonito. “Acho que o do Randy Couture foi mais clássico”.

Em relação à cena mais marcante da 9ª edição do UFC Rio, que foi seu gesto de reverência ao adversário inconsciente no chão, Lyoto destacou os valores das Artes Marciais.

Lyoto reverenciou Vitor após o nocaute – Foto: Buda Mendes/Zuffa LLC/Zuffa LLC

“Não corri, não fiz nada, em respeito ao Vitor. Acho que a Arte Marcial mostra muito esse lado, do respeito, que muitas vezes está sendo esquecido dentro do esporte, não da Arte Marcial, do esporte MMA. Eu tento buscar isso de volta para as pessoas entenderem. A gente que vem da Arte Marcial precisa trazer esse respeito. O meu adversário é um instrumento, uma ferramenta de eu mostrar meu trabalho, então nada mais certo do que eu ter agradecimento e respeito por ele, em todos os momentos, na vitória e na derrota”, exaltou. “Na hora que eu senti que o golpe encaixou, eu vi que não precisava eu machucar o Vitor Belfort, ele já estava debilitado, caído, e eu coloquei a mão na cintura para ver se ele ia reagir ou não. Quando eu vi que não ia ter mais reação, eu saí e sentei, que é um ato, como eu falei, da Arte Marcial, que é reverenciar o seu oponente”.

Ainda no octógono, Lyoto desafiou o ex-campeão dos médios Michael Bisping, que revelou recentemente que está próximo da aposentadoria. Questionado se o inglês também se despediria dos cages com um nocaute parecido com o que Couture e Belfort sofreram, o brasileiro riu e mostrou-se empolgado com a possiblidade.

“Vamos ver, né (risos)… Eu não sei nem se essa luta vai acontecer, mas eu gostaria de fazer essa luta contra o Michael Bisping, que é um cara de nome, também já foi campeão do UFC e é um clássico que ainda não aconteceu, que poderia acontecer, e eu espero que aconteça”.