Portal do Vale Tudo

Jorge Patino Macaco anuncia luta contra Johil de Oliveira e rebate Pelé Landi: ‘Quem vive de passado é museu’

por: PVT | @portaldovt
em 9 de janeiro de 2019

Convidado do RESENHA PVT dessa terça-feira, Jorge Patino Macaco relembrou as histórias que marcaram sua extensa carreira no Jiu-Jitsu e no Vale-Tudo, passando por vitórias, derrotas, polêmicas e rivalidades. Por falar em rivalidade, o líder da Macaco Gold Team rebateu José Pelé Landi, que há três semanas o desafiou para uma terceira luta entre eles. Segundo o paulista, hoje com 45 anos, seu próximo compromisso está marcado para o último final de semana de março contra o também veterano Johil de Oliveira, 49, pelo SFT, em São Paulo.

“Agora está surgindo um buchicho de novo, porque eu acho que ele (Pelé) quer aparecer, e ele não ibope, então ele precisa usar o nome do Jorge Patino Macaco para aparecer na mídia. A hora que você decidir sair da aposentadoria, levantar da cabeça e largar as muletas, tu pode me chamar que eu vou lutar. Você já perdeu a vez. Johil de Oliveira já vai lutar comigo em março, já estou anunciando aqui. No SFT, em São Paulo, no último final de semana de março. Esse cara (Johil) merece uma salva de palmas. É guerreiro, construiu história, já venceu o Pelé e tem tudo para fazer um lutão comigo. Já estamos numa idade acima do normal, mas vamos sair na mão. Quem quer sentar na janela para dar tchau no ônibus, perde a vez, Pelé. Já era, meu brother! Você vai só ver a revistinha lá, eu e Johil”, declarou Macaco.

Macaco e Pelé se enfrentaram duas vezes seguidas, em 1996 e 1997, ambas com vitória do representante de Curitiba. De acordo com o paulista, o terceiro duelo só não aconteceu por conta do próprio Pelé, que teria dificultado a marcação da luta.

“Cadê ele? Falou pra caramba! Fala pra caramba e não faz nada. Quem é, sabe. Quem quer, faz”, disse Macaco. “Meu amigo Hélio Dipp fez um evento e ele (Pelé) pediu uma bolsa cara, 50 mil reais na época, muito dinheiro. O Hélio Dipp conseguiu um patrocinador e mandou o contrato para ele. A minha bolsa era menor, mas eu queria a luta. No dia seguinte, em vez de assinar o contato com o Hélio Dipp… Ele já não fazia mais parte da equipe Chute Boxe, eu fazia parte da Chute Boxe, então ele foi até o mestre Rudimar, pediu para entrar na equipe de novo, acabou entrando na equipe de novo e como duas pessoas da mesma equipe não podiam se enfrentar, não aconteceu a luta. Depois teve um outro evento também que nós tentamos casar a luta, mas ele pedindo muito dinheiro. Não tem como se esconder atrás da bolsa, né? Não tem como você pedir 100 mil reais para lutar sendo que normalmente a bolsa do país é 20 mil, 30 mil para um cara de nome. Depois de três vezes eu acabei tirando o pé também. Ficar mexendo no passado, vivendo de museu… Quem vive de passado é museu, Jorge Patino vive de presente.”