Portal do Vale Tudo

Cristiano Marcello comemora sucesso da CM System no “Oscar do MMA nacional”

por: Leonardo Fabri
em 16 de fevereiro de 2017

Cristiano Marcello foi eleito o melhor treinador de MMA do Brasil - Foto: Leonardo Fabri

Cristiano Marcello foi eleito o melhor treinador de MMA do Brasil – Foto: Leonardo Fabri

A CM System foi o principal destaque coletivo da 4ª edição do Prêmio Osvaldo Paquetá, o popular “Oscar do MMA nacional”, realizada no último final de semana, no Rio de Janeiro. Além de melhor equipe, o time curitibano ainda faturou os prêmios de melhor treinador e melhor lutador, com Cristiano Marcello e Luan Miau, respectivamente, via voto popular.

Em entrevista ao PVT, Cristiano Marcello comemorou o sucesso da equipe fundada por ele em 2009, destacou o trabalho feito em parceria com Marcelo Zulu e exaltou a importância da premiação para incentivar cada vez mais aqueles que se doam no cenário nacional.

Bate-papo com Cristiano Marcello:

AS CONQUISTAS

PVT: Embora tenha sido eleito o melhor treinador do MMA nacional em 2016, você exerce a função há duas décadas. Como foi para você ser coroado agora?

Cristiano Marcello: Na verdade essa conquista não é pelo que feito em 2016, e sim todo o meu trabalho de 20 anos, desde a época das Chute Boxe. Através do jiu-jitsu que eu implantei na academia, eu consegui fazer o Wanderlei defender o cinturão dele várias vezes no Pride, o Shogun ser campeão do Grand Prix, então o meu trabalho de técnico não é de hoje. Contribui para a Chute Boxe ser a melhor equipe do mundo na época, e o mesmo eu quero fazer com CM System, e está sendo feito, não só por mim, mas com a ajuda do (Marcelo) Zulu. Sem a ajuda dele seria impossível fazer isso. Meu passado mais recente é como lutador, mas são 20 anos como técnico e isso está sendo refletido na CM System.

PVT: E quanto ao prêmio de melhor equipe do país?

Cristiano Marcello: A CM System tem sete anos, é muito nova para conquistar o que já está conquistando, mas isso é um fruto de um trabalho não só meu, mas de toda a equipe, do Zulu, que é um cara que dispensa comentários, de todo mundo que se doa, e principalmente dos atletas, que acreditam no nosso trabalho e expressam isso dentro do octógono. O produtor quando chama a CM System sabe que vai ter uma chancela de profissionalismo, sabe que o lutador vai bater o peso, sabe que vai ter um cara aguerrido, técnico e que vai mostrar o que tem de melhor no MMA no mundo.

PVT: Para quem não conhece, apresenta o peso-pena da CM System que foi eleito o melhor lutador em ação no Brasil.

Luan Miau foi eleito o melhor lutador do país - Foto: Leonardo Fabri

Luan Miau foi eleito o melhor lutador do país – Foto: Leonardo Fabri

Cristiano Marcello: O Luan Miau é um atleta de 22 anos que está em 1º lugar no ranking nacional, está vindo de quatro nocautes consecutivos e é um cara muito agressivo. Sabe aquele atleta que você olha como eu olhei Wanderlei Silva e Maurício Shogun em suas épocas áureas, que tem uma energia diferenciada? É ele. Vocês podem esperar um atleta que dentro em breve vai estar postulando o cinturão do evento em que ele estiver, e eu não estou exagerando. Se botar ele num evento do bairro dele, ele vai postular o cinturão, se botar ele no UFC, ele vai postular o cinturão. Eu conheço bem, posso falar quem é ele, não à toa foi eleito o melhor lutador do Brasil. Podem apostar em Luan Miau no ano de 2017 em qualquer evento que ele estiver. Agora ele vai lutar o Brave, um evento do Bahrein, e vai mostrar para o que veio em um evento internacional. Podem apostar que em 2017 a CM System vai assinar lutadores com eventos grandes, internacionais, e brasileiros também. A gente é igual ao BOPE, a gente chega para fazer a diferença.

PVT: Qual a importância de uma premiação do nível do Osvaldo Paquetá para exaltar o trabalho feito em solo nacional, levando em conta que a grande massa está preocupada somente com o UFC?

Cristiano Marcello: É muito importante estar entre os melhores e ser coroado. A gente tem que dar a devida importância ao prêmio, que existe para incentivar o pessoal a trabalhar cada vez melhor. Podem apostar que no ano que vem eu vou querer ganhar de novo, não só eu, como a CM System e meus atletas. Sempre vamos colocar o melhor dentro do octógono para continuarmos entre os melhores. Foi o quarto ano que estávamos entre os melhores. A CM System é isso, é competitividade, eu sou competitivo e acho que vou morrer sendo competitivo. Nosso foco é concorrer e ganhar novamente em 2017 e, quem sabe um dia, postular entre os melhores do mundo

A CAMPANHA

PVT: Assim como o World MMA Awards, o Prêmio Osvaldo Paquetá tem os indicados escolhidos por especialistas e os vencedores eleitos via voto popular. Na sua campanha você conseguiu o apoio de diversas personalidades do mundo da luta, o que claramente atraiu muitos votos para você, sua equipe e seu atleta. Como foi essa campanha?

Cristiano Marcello: Fiz bastantes amigos nesses 20 anos de MMA, tanto dentro quanto fora do meio, e não é qualquer um que a galera coloca a credibilidade, mas graças a Deus eu consegui alguns caras para me ajudar na campanha, como Bruce Buffer, Urijah Faber e a Alpha Male inteira, Royce e Royler Gracie, Pregador Luo, Fabrício Morango, Bambam, Jorge Pontual, Augusto Farfus, que é campeão de automobilismo, e muitos outros. Essa galera me deu credibilidade e me ajudou a acumular votos, e eu acho que isso é efeito do que eu sou dentro do esporte, do respeito e credibilidade que eu tenho.

PVT: Além disso, você também conseguiu votos dentro do avião na reta final da disputa. Conta para gente como foi isso.

Cristiano Marcello: Eu sou um cara muito competitivo, então em tudo o que eu me propor a fazer eu vou querer ser o melhor. Na viagem de Curitiba ao Rio para a cerimônia do Prêmio, já dentro do avião, um dos comissários me reconheceu e perguntou o que eu ia fazer no Rio. Expliquei que era a premiação do Osvaldo Paquetá, então ele disse que ia divulgar através do alto-falante do avião para ver se a galera votava, e foi isso que rolou. O avião ainda ficou um bom tempo parado no solo, então deu tempo para conseguir mais uns votos (risos).