Portal do Vale Tudo

Com três lutas restando no contrato, Aldo está focado em se aposentar como campeão dos penas, mas não esquece ideia de fazer superluta nos leves

por: Leonardo Fabri | @Fabri89
em 8 de agosto de 2018

Com Max Holloway ausente devido a problemas de saúde e sem previsão de quando poderá defender o cinturão novamente, e o atual número 1 do ranking, Brian Ortega, com a ideia de esperar pelo campeão, pode se dizer que a categoria dos penas está à deriva.

De volta à turma dos potenciais desafiantes, após a brilhante vitória sobre Jeremy Stephens ainda no primeiro round no último dia 28, José Aldo não esconde que o desejo é encarar Ortega na próxima luta, numa possível disputa de cinturão interino, para se credenciar novamente a disputar o título linear.

Com três lutas restando sem seu contrato com o UFC, Aldo tem em mente a ideia de conquistar o cinturão e pendurar as luvas, conforme ratificou em bate-papo com a imprensa durante o lançamento de seu projeto social, em parceria com a empresa de telecomunicações “Oi”, na Arena Upper.

“A gente quer ser campeão, a gente quer parar sendo o campeão e a gente está próximo, a gente nunca saiu dali de perto e essa luta mostrou minha qualidade, que meu potencial está lá em cima ainda, então eu quero, sim, disputar o cinturão, e se eu conseguir o título, eu paro com o título.”

Focado na ideia de se aposentar como campeão, ele não descarte o velho sonho de se testar na categoria de cima, algo que já esteve próximo de acontecer algumas vezes, mas nunca se concretizou.

“Se eu tiver a oportunidade, eu quero sim. Não pelo corte de peso, mas fazer uma grande luta. Falta isso na minha carreira, me testar um pouco com atletas de outra categoria, seria ótimo. Mas estou esperando primeiramente a definição da minha categoria para a gente tomar essa decisão no futuro”, explicou o peso-pena, que não citou adversários. “Quem eles colocarem lá dentro, tanto peso-galo até no peso pesado eu vou lutar independente de quem seja. Eu quero lutar, eu faço isso, esse é o meu trabalho.”