Portal do Vale Tudo

As vezes em que o baixinho Romário encontrou com ídolos do vale-tudo

por: Marcelo Alonso
em 30 de maio de 2017

Fotografia que foi capa da revista de esportes mais importante do Japão - Foto: Marcelo Alonso

Fotografia que foi capa da revista de esportes mais importante do Japão – Foto: Marcelo Alonso

Hoje em dia é comum ver artistas e celebridades tendo orgulho de associar sua imagem ao MMA, mas nem sempre foi assim. Quando o esporte era abominado pela grande mídia e só tinha espaço nas páginas policiais, era quase impossível encontrar um atleta famoso ou um artista consagrado disposto a associar seu nome à nossa luta.

Não é o caso do baixinho Romário. Maior ídolo do futebol brasileiro nos anos 90 e fã declarado de Vale-Tudo, o “Peixe” nunca mediu esforços para ajudar o nosso esporte a chegar ao patamar onde está. Nesta edição do baú relembro dois episódios que participei diretamente, em 1999 e 2001, nos quais Romário usou sua influência em favor do nosso esporte.

Tiete de Mark Keer

Romário estrangula Belfort e Kerr - Foto: Marcelo Alonso

Romário estrangula Belfort e Kerr – Foto: Marcelo Alonso

Depois de participar ativamente da histórica conquista da Copa do mundo em 1994, tirando o Brasil de um jejum de 24 anos sem levantar a taça, Romário passou a ser indiscutivelmente o maior ídolo do esporte no Brasil. Seu jeito marrento e sem papas na língua e suas declarações geniais, faziam do Baixinho o sonho de consumo de qualquer veículo de imprensa.

Em Maio de 1999, tive o privilégio de entrar para o seleto grupo de jornalistas que conseguiu uma exclusiva com o Peixe. Tudo começou com um inesperado telefonema de Vitor Belfort, em pleno domingo. “Chega aqui no Tourão, que vou te fazer uma surpresa”. Quinze minutos depois, lá estava eu com a câmera em punho fazendo imagens exclusivas de Belfort com o homem mais temido do mundo naquele momento, o wrestler Mark Kerr. “Calma que a surpresa ainda não é esta”, disse Vitor, me conduzindo para uma van junto com Kerr.

Percorremos pouco mais de 1km até chegar ao café do Gol, onde já nos esperava na porta mega ansioso o dono do estabelecimento: Romário. Naquele momento o maior ídolo nacional parecia uma criança. “Nice to meet you. I´m big fan”, disse o Baixinho nitidamente nervoso ao ser apresentado ao ídolo. “Este cara é muito sinistro. Valeu, Peixe”, completou o Baixinho agradecendo a Belfort pela supresa.

Na sequência, Vitor me apresentou como seu amigo e fomos os quatro para a área VIP no segundo andar do estabelecimento sem nenhuma interferência. Quando a ficha caiu, lá estavam a minha disposição o maior ídolo brasileiro e o maior lutador de Vale-Tudo. Aproveitei a descontração para sugerir uma foto que viria a ser capa da Tatame daquele mês: Romário apertando o pescoço de Kerr e Belfort. “Pô, Peixe, apertar o pescoço destas duas feras é muita responsa”, retrucou o craque que acabou cedendo ao nosso apelo.

O papo fluía tão bem que propus aos dois que se entrevistassem. Romário e Kerr no quadro Mano a Mano, ambos aceitaram de pronto. O bate-papo rendeu tanto que começou às 9 da manhã no café do Gol e terminou as 4 da manhã na boate People e acabou justificando editorialmente a capa daquela edição.

Romário leva Belfort ao Flamengo

Romário levou Belfort ao Flamengo - Foto: Marcelo Alonso

Romário levou Belfort ao Flamengo – Foto: Marcelo Alonso

Na conversa, Kerr falou da luta com Gurgel que tanto havia impressionado ao Baixinho. “Tenho certeza que se ele fosse do meu tamanho as coisas poderiam ter se complicado”, e perguntou a Romário qual era sua opinião sobre o Vale-Tudo. “Sou totalmente a favor. Pois vocês usam o que podem para ganhar, não usam sujeira para ganhar como muitas vezes vemos em outros esportes, inclusive no futebol. Para mim vocês são esportistas que devem ser muito respeitados pelo que fazem”, elogiou o craque, revelando na sequência seus ídolos dos ringues: Royce, Rickson, Vitor e você. Romário ainda mostrou conhecimento ao eleger suas lutas prediletas: “A sua com o Hugo e do Vitor com o Tank Abbot”.

O encontro com o ídolo empolgou Romário, que no fim da noite revelou que planejava fazer um mega evento de Vale-Tudo na praia em frente Café do Gol. “Quero fazer o maior de todos os eventos com os melhores lutadores do mundo bem aqui na frente do café do Gol, desde já você está convidado”, disse Romário, que chegou a dizer a Mark Kerr que tentaria arrumar patrocínio com Zé Moraes (na época secretário de esportes) para que ele e Vitor treinassem juntos. “Gostaria que você entendesse que não tenho interesse de patrociná-lo para me promover ou promover o Café do Gol, até porque não preciso disso faço porque sou amigo do Vitor e sou um grande fã seu”, finalizou o Baixinho com sua habitual sinceridade.

Um mês depois Vitor me ligou novamente e fomos juntos ao encontro de Romário no Flamengo. Na época o Baixinho, que estava contundido e treinando sem bola,  revelou que estava mexendo os pauzinhos para que o flamengo contratasse Belfort como primeiro atleta de Vale-Tudo do time. Poucas semanas depois, lá estava Belfort sendo apresentado à torcida do Flamengo em pleno Maracanã lotado, na primeira parceria Futebol – MMA que se tem notícia. Tudo graças ao empurrão do Baixinho.

As duas maiores paixões brasileiras

Capa da mais importante revista de esportes do Japão - Foto: Marcelo Alonso

Capa da mais importante revista de esportes do Japão – Foto: Marcelo Alonso

Em 2001 mais uma vez o Vale-Tudo precisou de Romário e lá estava o Baixinho dando seu apoio amarradão. Na oportunidade, havia sido contratado pela revista japonesa Number para coordenar uma das 3 equipes que vinham ao Brasil fazer uma matéria especial de capa sobre as duas maiores paixões do brasileiro: Futebol e Luta.

Enquanto as duas equipes que vieram cobrir futebol se dividiam entre os grandes centros (São Paulo, Rio, Porto Alegre e Bahia) eu cuidava da equipe que vinha conhecer o nosso Vale-Tudo. Foram cinco dias intensos fazendo um tour pelas maiores equipes do Vale-Tudo nacional: No Rio fomos a BTT, Ruas Vale-Tudo, Nova União e Luta-Livre, e posteriormente embarcamos para Curitiba para retratar a Chute Boxe.

Terminado o trabalho perguntei, já no aeroporto, ao líder do meu time se eles tinham uma capa em mente e ele me respondeu que este era o problema, pois teriam que juntar os dois assuntos, mas não havia uma imagem que linkasse futebol e Vale-Tudo.

Foi quando me dispus a tentar fazer a foto da capa reunindo um grupo de lutadores e um grande craque. Quando sugeri Romário, Yanagisawa gargalhou: “Totalmente impossível, nossa equipe ofereceu uma boa quantia em dinheiro para os repórteres de 2 grandes jornais locais e eles disseram que seria impossível”. Quando ele disse que seria impossível, eu, abusado, decidi perguntar quando seria o fechamento. “Quando eu sair deste avião em Tokyo teremos mais 24 horas”, disse o japonês totalmente incrédulo.

Assim que os japoneses embarcaram liguei imediatamente para Bebeo Duarte, que na época havia montado uma equipe de MMA no Vasco. O líder da BTT que tinha a noção exata do peso da revista Number no Japão, comprou a minha briga. Ao saber que mais uma vez ajudaria a equipe de Vale-Tudo do Vasco, o Baixinho baixou a guarda.

Juntos, eu e Bebeo conseguimos em pouco mais de 24 horas conectar as agendas de Romário com Belfort, Murilo, Rizzo, Sperry e Pequeno, e fazer a foto que a Number tanto queria. Lembro que cogitei tentar trazer Wanderlei de Curitiba, mas a rivalidade entre Chute Boxe e BTT naquele momento inviabilizaria colocar o Cachorro Louco ao lado de desafetos como Belfort, Sperry e Murilo. Uma pena, pois Wanderlei era naquele momento o maior nome do esporte.

No fim da sessão relembrei com Romário do dia em que o fiz estrangular Kerr e Vitor e o convidei a repetir a posição em fila Indiana. A ideia era fazer uma imagem impactante para a minha coluna na Tatame, a cervical. Como era o segundo mais baixo, Romário acabou pegando o pescoço de Pequeno. “Esse aqui é mole, quero ver é apertar os lá de trás”, disse irônico o figuraço, sem saber que apertava o pescoço do rei do Shooto, maior peso pena do mundo, que estava invicto há quase 4 anos.

Curiosamente, no final das contas os japoneses acabaram usando esta foto como capa e mais uma vez Romário fez a diferença. Esta edição teve uma tiragem de 250 mil exemplares e quase se esgotou nas bancas do Japão.

  • "Belfort e seu ídolo, Mark Keer - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Kerr, Romário e Belfort na área vip da boate - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Kerr, Romário e Belfort na área vip da boate - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Romário estrangula Belfort e Kerr - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Encontro no Café do Gol"
  • "Romário levou Belfort ao Flamengo - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Romário levou Belfort ao Flamengo - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Romário levou Belfort ao Flamengo - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Romário levou Belfort ao Flamengo - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Belfort apresentado no Flamengo - Foto: Alexandre Vidal"
  • "Fotografia que foi capa da revista de esportes mais importante do Japão - Foto: Fernando Azevedo"
  • "Fotografia que foi capa da revista de esportes mais importante do Japão - Foto: Marcelo Alonso"
  • "Romário entre lutadores da BTT - Foto: Marcelo Alonso"